Segredos da Aromaterapia e dos Óleos Essenciais

Aromaterapia e Óleos Essenciais

Se você está lendo este artigo, já deve ter ouvido falar sobre as gotas de saúde e bem-estar dos óleos essenciais, certo? Se sim, eis uma ótima oportunidade para saber em detalhes por que os OE, como também são chamados, estão fazendo tanto sucesso no Brasil, que ocupa atualmente a quarta posição entre os maiores exportadores deste produto no mundo. Mas, caso ainda não tenha qualquer informação sobre o assunto, não perca a chance de descobrir este universo fascinante, que pode ajudar a melhorar sua qualidade de vida em diversos sentidos. Siga com a gente, pois temos muito conteúdo interessante nesta página sobre os segredos da aromaterapia e dos óleos essenciais!

Gotas de Saúde e Bem-Estar

Os óleos essenciais são extratos de origem vegetal provenientes de folhas, flores, frutos e raízes aromáticas, sintetizando em poucos mililitros uma grande concentração das propriedades naturais da planta da qual foi obtida, que além de estimularem o olfato, proporcionam benefícios terapêuticos ao organismo.

Para ilustrar, um OE de laranja doce (citrus sinensis) pode ser um ótimo aliado para quem deseja reduzir os níveis de estresse. Isso ocorre justamente porque a casca do fruto citado é rica em polifenóis, antioxidante considerado um importante aliado contra este problema de saúde que afeta tantas pessoas.

Embora os OE possam ser ingeridos (com cuidado!), o que torna a aromaterapia tão especial é a sua capacidade de melhorar os níveis de saúde e bem-estar por meio do olfato. Os odores afetam positiva e negativamente não somente a nossa função respiratória, como pode influenciar a frequência cardíaca e a mente. E isso ocorre muitas vezes sem que percebamos – o efeito subliminar! Os óleos essenciais valem-se deste processo orgânico para equilibrar o sistema nervoso e, consequentemente, males e comportamentos que podem ser prejudiciais para a qualidade de vida, incluindo vícios como tabagismo e alcoolismo. Veja só quantas possibilidades!

Para se ter ideia da importância dos OE, a aromaterapia faz parte da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do SUS. Ou seja, está inserida entre as políticas públicas de saúde do Brasil.

Exemplos de OE e Seus Benefícios

Agora que você já sabe o que é um óleo essencial e o seu potencial transformador, selecionamos abaixo elementos naturais comumente usados na produção de OE e alguns de seus benefícios para a saúde:

Alecrim

  • Tratamento para oleosidade da pele e acne
  • Estimula a concentração e a memória
  • Possui efeitos antidepressivos

Funcho Doce

  • Ajuda a regular o apetite
  • Equilibra o sistema digestivo
  • Organiza a mente e a comunicação

Laranja doce

  • Combate a ansiedade e a depressão
  • Alivia dores estomacais
  • Potencializa as atividades físicas

Lavanda Francesa

  • Aliada contra distúrbios do sono
  • Estimula o rejuvenescimento da pele
  • Promove o relaxamento respiratório

Lemongrass / Capim-Limão

  • Indicado para melhorar a circulação
  • Favorece a criatividade e a concentração
  • Alivia o estresse e a ansiedade

Limão Siciliano

  • Ajuda a melhorar o humor
  • Tratamento auxiliar contra resfriados
  • Combate oleosidade e manchas na pele

Como Usar Óleos Essenciais

Os óleos essenciais podem ser usados de diferentes formas. A mais comum é a aromática, através de difusores de ambiente ou até mesmo com as palmas das mãos. Para o uso tópico, como por exemplo em uma massagem, é recomendado a diluição com óleo vegetal, evitando assim irritar a pele.

Um questionamento recorrente é se os OE podem ser digeridos. A resposta é sim, mas com supervisão de um profissional, após a realização de uma anamnese para indicar a quantidade e a forma adequadas. Geralmente, a recomendação é por meio da ingestão sublingual ou misturados em alimentos e bebidas.

Um lembrete importantíssimo: utilize sempre um OE certificado, com pureza 100%.

Abaixo, confira as nossas sugestões de uso:

  • Palma das Mãos: Aplicar 1 gota, friccionar e inalar pausadamente
  • Difusor de Ambiente: Diluir 8 a 15 gotas a cada 60 ml de água
  • Massagem: Diluir 30 gotas a cada 50 ml de óleo vegetal ou creme neutro

História da Aromaterapia

Se a aromaterapia tem ganhado cada vez mais adeptos no mundo, isso se deve ao conhecimento adquirido através de milênios de estudo desta ciência – ou arte, como preferem os mais entusiastas. Após a leitura do artigo até aqui, certamente você já é uma pessoa iniciada nos segredos da aromaterapia e dos óleos essenciais. Abaixo, criamos uma cronologia especial para você entender como foi o desenvolvimento dos OE ao longo da história. Acompanhe!

3000 a.C: Placas de barro babilônicas descrevem sobre o uso de ervas. O imperador Shen Nung escreve o primeiro livro chinês sobre os poderes curativos das plantas.

2800 a.C: registros de fumigação de melaleuca por aborígenes australianos.

1500 a.C: Tratado médico egípcio conhecido como Papiro Ebers apresenta mais de 800 receitas e remédios à base de ervas.

400 a.C: Hipócrates, pai da medicina ocidental, venceu a peste em Atenas espalhando fumigações aromáticas por toda a cidade. Na mesma época, Dioscoridis publica um texto sobre medicina herbal.

900 d.C: O filósofo e médico persa Avicena inventa o processo de destilação a vapor, que começa a ser utilizado para aromaterapia, em chás, perfumes e maceração.

1100 d.C: Arnaldo de Villanova da Bachuone trabalhou com terebintina e alecrim, a primeira descrição séria da destilação de óleo essencial. Na mesma época, Ramon Llull oferece uma descrição detalhada da destilação da sálvia.

1400 d.C: O livro “Liber de destilatione”, escrito por Giovanni Battista della Porta, distingue óleos graxos, óleos essenciais e como separar a essência da água floral.

1500 d.C: Os óleos essenciais são introduzidos no comércio. Em Provença, boticários e herbalistas prescrevem OE de lavanda, tomilho e alecrim.

1918: O químico e perfumista René-Maurice Gattefossé, pai da aromaterapia moderna, queimou a mão durante uma explosão em seu laboratório e mergulhou o membro rapidamente em um recipiente com OE de lavanda. Após verificar o efeito cicatrizante da substância, passou a se dedicar ao estudo dos óleos essenciais.

1929: O farmacêutico Sevelinge dedica-se ao estudo dos óleos essenciais na medicina veterinária e confirma os resultados do trabalho de Gattefossé.

1964: O médico Jean Valnet tratou oficiais com óleos essenciais e escreveu um artigo sobre o uso medicinal destas substâncias.


Óleos Essenciais Buddha Spa

Depois desta verdadeira imersão no mundo da aromaterapia, que tal agora experimentar um óleo essencial feito especialmente para a sua necessidade?

O Buddha Spa, em sua linha de produtos sensoriais, oferece três opções de OE, com os blends Sono, Anti-Stress e Energia.

Visite a página da nossa Linha Home e conheça mais sobre cada um.


Obrigado por chegar até aqui e desvendar conosco os segredos da aromaterapia e dos óleos essenciais!

Namastê  

2 Comentários
MARILISA PINTO FRANÇA BATTIATO

Olá gostei muito do artigo. Parabéns!! Sintético, deu uma boa visão histórica e sensibilizou para o assunto. Eu AMO OE!!!. Sou super sensível aos seus efeitos e acredito muito em seu poder. Vocês possuem um kit com pequenas amostras dos vários aromas, semelhante qo que costuma fazer algumas perfumarias internacionais?

wilsonazuma

Olá, Marilisa! Ótimo que tenha gostado do nosso artigo. O kit que temos você pode encontrar no seguinte link: https://buddhaspa.com.br/produto/kit-oleos-essenciais-buddha-spa/

Deixe uma Resposta

Deixe uma resposta