Essencial … bem utilizar as dimensões da mente

Estamos passando por um ponto de mutação contemporâneo caracterizado por saberes que se polinizam criando  uma nova compreensão do que somos.  Novas ciências,  tais como a nanotecnologia, a informática, a disseminação da física quântica e novas  tecnologias que  nos permitem ver e acompanhar  tanto os resultados como  o processo mesmo. Todo esse desenvolvimento permite a pesquisa de um tema ao mesmo tempo misterioso e fascinante: a mente, o cérebro, os pensamentos e seus efeitos.

?Penso,  logo existo?, um culto a racionalidade,  torna – se ? penso logo tenho uma mente?,   paródia bem humorada do zen que coloca a mente como objeto de estudo, temos hoje a neurociência e todas as suas sutis ramificações: pensamentos e vibrações originando a medicina vibracional; a medicina integrativa com  uma visão mente e corpo da saúde e agora a biologia emocional que dá um novo status ao pensamento e ao relacionamento entre nossa mente, emoções e nosso corpo. É o até então, intangível, manifesto.

Não existe divisão mente e corpo, mudança em um, muda o outro,  afirma Candice Perter, farmacologista e professora da Universidade de Georgetown, especialista na química da emoção.

O mundialmente conhecido, Deepak Chopra, médico indiano, endocrinologista radicado nos EUA, autor de mais de 50 livros, diz que ?Somos as únicas criaturas na face da terra capazes de mudar nossa biologia pelo que pensamos e sentimos! Nossas células estão constantemente bisbilhotando nossos pensamentos e sendo modificados por eles.?

Deepak  afirma que ?A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse. Quem está deprimido por causa da perda de um emprego projeta tristeza por toda parte no corpo  ?  a produção de neurotransmissores por parte do cérebro reduz-se, o nível de hormônios baixa, o ciclo de sono é interrompido, …e até suas lágrimas contêm traços químicos diferentes das lagrimas de alegria.?

Há de se ter,  entretanto, cuidado na aplicação dessas descobertas, para evitar aquelas situações onde é quase obrigatório  sentir culpa e incapacidade  por estar doente, ou deprimida ou em sofrimento como se propositadamente  não conseguisse controlar sua mente ou como se  essas situações fossem apenas descontrole emocional. Essas descobertas devem abrir mais possibilidades para uma vida plena e saudável, é necessário bom senso.

Deixe uma Resposta

Deixe uma resposta