As decisões

DúvidaQuando as pessoas dão prioridade ao que os outros dizem ou pensam vão esvaziando o que possuem por dentro e preenchendo com porcarias. Escutar sua voz interna, dar um tempo para meditar sobre como anda a vida é mais do que necessário se quiser ter um pouco de felicidade no dia a dia. Não há como viver bem sendo bombardeado o tempo todo com conselhos, dicas da publicidade e regras muitas vezes ditadas por pessoas que falam mas não fazem, o que é um perigo enorme.

Acabamos sendo fruto de uma interminável mistura de informações desnecessárias e não conseguimos mais nem lembrar quem eramos há um tempo atrás, pois grande parte das decisões que tomamos será que tinham coerência com nossa vontade ou foram influenciadas por conselheiros improvisados que adoram saber o que é melhor para nós?

Estamos num mundo de cópias, de gente a granel, de padrões muito baixos e que se não tentamos cuidar do nosso eu interior, por mais que cuidemos do físico, é um carro sem motorista ou no mínimo motorista dopado. Fico imaginando o futuro e as vezes me vem ideias loucas, mas que não são absurdas se analisadas com calma. O que será de um velório no futuro? Talvez apenas haja o caixão e um telão conectado no facebook com cliques de “curtir” ao invés de pessoas para abraçar, será? Não duvido.

Tudo é tão volátil que na hora de entrar para dentro e decidir sobre algo importante a primeira coisa é pânico. Daí, o cérebro não faz conexão com a alma que está totalmente desconectada das grandes verdades e importâncias da vida e como um radar desnorteado procura a primeira pessoa, psicólogo ou guru que estiver perto e muitas vezes sem referência, e após o conselho se acalma e se convence de que fez o melhor. Estamos acostumados a procurar fora o que temos de desenvolver dentro e isso é muito ruim, pois quando temos consciência procuramos conselheiros melhores.

Nossas decisões mudam nossas vidas a todo momento, são escolhas que acarretam consequências e não podemos decidir sem saber quem somos ou tentar saber.

Penso que quando pedimos conselhos a alguém devemos sempre deixar o sentimentalismo de lado, se gostamos ou não daquela pessoa, mas se possui a capacidade de dar o conselho em determinada questão. Muitas pessoas que estão do nosso lado e nos amam nem sempre tem a lucidez e experiência para nos orientar da melhor maneira, então o melhor é desenvolver o que temos dentro e no momento de dúvidas, procurar alguém que seja apto a nos aconselhar, mas tendo a consciência que os conselhos estão sendo peneirados, pois quem decide e aguenta as consequências sempre somos nós.

 

 

Marco PucciPor: Marco Pucci

www.numerovivo.com

Atua há vinte anos como numerólogo, no Brasil e no exterior . . .

 

 

 

 

 

Crédito imagem base Photl.com


Deixe um Comentário Cancelar resposta
O seu endereço de email não será publicado


RECEBA NOSSOS
INFORMATIVOS

Loja Online

Alerta
Ok
Carregando
Erro

Não foi possível ler a página!